sábado, 24 de dezembro de 2011

Os Dois Fundamentos






A história da humanidade, se divide em duas. Aqueles que construíram a sua “casa” na pedra, na rocha, e aqueles que construíram a sua “casa”, na areia. Nessa história, a “casa” é a nossa existência, nosso ser, nossa essência, ou seja, tudo aquilo que nos construiu e nos constrói como seres, e os solos, sendo assim, a areia e a pedra, são a podridão e a verdade.
Jesus, a muito tempo atrás, em um de seus sermões mais lindos e mais significantes, no sermão da montanha, que influenciou até mesmo o prórpio budismo, nos fala sobre essa “casa”, e nesses dois tipos de solo.
Todos os grandes homens desse mundo, que viveram e que passaram por essa terra, se preocuparam muito em construri coisas para si, na idéia de que os homens , se lembrariam deles com o passar dos séculos. Esses mesmos homens, construíram pirâmides, mausoléus, estátuas, esfinges, estelas e muitos prédios que refletiram o tamanho do seus poderes sobre os homens e sobre certo povo. E muitas dessas construções, estavam firmadas e levantadas em cima de mentiras, violências, explorações, guerras, vaidades e todas as doenças que um ser humano pode criar a partir de uma idéia de insatisfação, maldade e injustiça. Assim se construiu muitas coisas que temos hoje como maravilhas da humanidade.
A grande verdade, é que esses homens, Faraós, Napoleão, Hitler, Mussolini, Franco, Xerxes, Alexandre e outros mais, precisaram construir essas coisas, porque estavam vazios por dentro, ou precisavam esconder as suas fraquezas e futilidades, com a tentativa de se engrandecerem acima de outros e se eternizarem a si próprios.
Na época de Jesus, existiu um camarada muito “bacana” e “simpático” chamado Herodes. Herodes, era um governador super poderoso e inteligente, mas era completamente doente, hipocondríaco, esquizofrênico e cheio de fobias. Com todo o seu poder, através de loucuras de intrigas, matou todos os filhos, fez alguns se matarem, jogando uns contra os outros, matou a mulher a quem tanto amava, matou o seu irmão, para ficar com a sua mulher, e satisfazer seu desejo de posse e também matou um cara chamado João Batista.
Tudo o que Herodes faziam, escorria para seus pés. As mortes violentas, as mentiras, morte de sonhos e sentimentos que ele mesmo fez, sua arrogância, suas brutalidades, suas violências, omissões como governante. Tudo isso, aumentava o peso da balança que julgaria ele mesmo. Herodes fez para si, um alicerce orgânico podre, onde ele cada vez mais se afundava e não conseguia se libertar.
Herodes caiu, suas mentiras, suas loucuras, suas vaidades. Os prédios que ele construiu e morou sem paz, alguns pedaços, ainda estão de pé. Teve uma vida desgraçada, causou injustiças e com certeza, não teve um dia de paz.
Hoje, as pessoas sofrem dos mesmos problemas de insanidade e loucura, e estão construindo para si, uma valeta de pesadelos, e tentam também puxar para junto da destruição, quem poder puxar. São cheias de mágoas, de traumas, de preconceitos, infelicidades, de subterfúgios, de mentira, de máscaras, de pesadelos e fobias. Não conseguem nem dormir, por causa que não conseguem ver a si mesmo satisfeitas e muito menos quem estiver ao redor. Em outras palavras são Herodes, precisam de um bom psicólogo, um bom divã, bons remédios e bons tratamentos aliados a boas doses de ensinamentos de Cristo.
Essas pessoas, precisam de ajuda, de socorro, porque o bueiro aonde estão caindo, se chama justiça eterna, e quanto antes poderem se dar de conta de sua própria loucura, melhor será.
Finalmente, existe 2 firmamentos, alicerces e bases para que possamos construir nossas “casas”. Qual é o seu alicerce ?
Lembre-se que, quem está firmado na justiça, na busca pela verdade, no carinho, na paz, na não-violância, na busca pelo tratamento de seu ser e existência e deixa de lado as doenças da alma como vaidade, mentiras e tudo aquilo que traz intriga e desarmonia, está começando a firmar a sua casa na pedra.
Aos que querem construir na areia, lembre-se que a areia, junto à chuva, a umidade e a tempestade, se transforma em barro, lodo, lama e até mesmo, em areia movediça !

Construa a sua casa na pedra ! (Mateus 7 : 24-27)

Samuka.



(Imagem : Hitler e Mussolini)

sábado, 17 de dezembro de 2011

Se eu morrer amanhã.




Eu morrerei feliz porque...


Eu já fiz sexo.
Eu já fiz poema.
Eu já tive uma banda.
Eu já tive uma namorada (e já a amei muito).
Eu já fiz uma tatuagem.
Eu já tomei banho de praia.
Eu já fui no show da minha banda predileta.
Eu já tentei escrever um livro.
Eu já passei no vestibular ( e Enem)
Eu já apanhei da minha mãe.
Eu já briguei na escola...já fui expulso da escola!
Eu já fui capitão do time de futebol.
Eu já tive um aniversário... e não compareci!
Eu já discuti com pessoas que ninguém discutiria.
Eu já fugi da polícia.
Eu já viajei para longe de carona.
Eu já fui atropelado.
Eu já fui mordido por um cachorro.
Eu já levei um "butiazaço" no olho.
Eu já corri do trem em uma ponte.
Eu já vi assombração.
Eu já senti medo.
Eu já senti medo de perder pessoas.
Eu já traí ...não sei se já fui traído.
Eu já orei.
Eu já senti raiva de Deus.
Eu já trampei de segurança, de barman...
Eu já fugi de casa.
Eu já morei longe de casa ( senti saudade).
Eu quase já operei o joelho.
Eu já andei de skate.
Eu já pixei um muro.
Eu já destruí o carro da minha família.
Eu já dei um beijo em uma pessoa, porque eu pensei que jamais voltaria a vê-la.
Eu já me despedi, sem querer me despedir.
Eu já pensei em desistir de tudo.
Eu já pensei em ser alguém totalmente diferente do que sou.
Um dia, eu já me importei com o que os outros pensam...
Hoje, me importo com o presente.

Hoje, só queria deixar um recado. Esse recado.

Diga a todas as pessoas que me conheceram, que as amo! Até mesmo aquelas que não gostam de mim, ou que eu de alguma maneira me desentendi.

Diga a elas, que sinto muito, que desculpem minha ignorância, não fiz por mau . E se tivesse mais uma chance, tentaria explicara s coisas que ficaram inexplicáveis.

Aos que amei, diga que gostaria de viver tudo novamente com eles. Diga que continuo amando-os.

Quero deixar esse recado, amo vocês. Me desculpem, por favor !

Mas se eu morrer amanhã, morrerei tranquilo.


Samuka.




(Ao som de "With or Without - U2" )

Qual é a tua vaca ?


"...e fez dele um bezerro de fundição. Então disseram: Este é teu deus, ó Israel, que te tirou da terra do Egito. "


(Êxodo 32:4)



Moisés subiu no monte e e de repente, como se Deus e Moisés não tivessem feito nada pelo povo, deixaram de lado os retos caminhos. Que coisa não ?
Mas é assim mesmo que acontece .
Foi só Moisés sair de perto, que o povo não só adorou uma coisa inútil, como também, naquele momento, virou escravo novamente.

Após terem saído da servidão compulsória ( escravidão), o livro de Êxodo, que compõem por milhares de anos a Torá, o Pentateuco do livro cristão e judaico, relata a história da impaciência e da burrice tola de um povo, que por um momento de insensatez, resolve deixar de ser aquilo que foi separado para ser.
Ao invés de permanecerem convictos em Deus, deram as costas ao mesmo.

Quantas vezes fazemos isso todos os dias ?

Assim como Moisés subiu no monte, Jesus também subiu...

E nós, para não fugir a regra, construímos as nossas vacas de ouro!

E o melhor de tudo, como foi relatado em êxodo, tivemos o apoio de Arão (Levita).

Hoje, em nosso mundo, se rola grana , se rola conforto, tá tudo bem, tá tudo ótimo. Afinal, não traz problemas para ninguém , não é ?

E assim rolou no pé do monte Sinai. Um povo, que jurava estar fazendo a coisa certa, faz uma vaca de ouro e a adora, como se fosse a coisa mais importante do mundo.

Cara, sinceramente, só porque a vaca era de ouro, não queria dizer que era de verdade.

Da mesma forma, quantas coisas possuem em nossas vidas a aparência de tesouro, mas é uma bosta ?


Mas a grande pergunta é, o que ou quem é o sua vaca (bezerro) de ouro que está ocupando o lugar do verdadeiro Deus ?

Não interessa o que seja, ou quem seja, vacas de ouro, é símbolo de Egito. No Egito, até mesmo sombra era "deus". Fazer vacas de ouro, é ser escravo, é pensar como escravo.

Ser escravo, é tudo que Deus não quer.

Pense...

Quebre a vaca de ouro.

Samuka.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011






Mas o Senhor disse a Samuel:


Não considere sua aparência nem sua altura, pois eu o rejeitei. O Senhor não olha para as coisas que as pessoas olham . As pessoas olham para a aparência externa, mas o Senhor olha o coração.

(1 Samuel 16:7)

O Verdadeiro Eu










Deve haver uma entrega real do eu. Você precisa jogá-lo fora, por assim dizer, “cegamente”. Cristo lhe oferecerá uma personalidade de verdade, mas você não deve procurá-lo só por isso. Se a sua personalidade verdadeira é o que importa, então é bem pouco provável que voce procure a Cristo. O primeiro passo nessa direção é tentar esquecer o seu eu de uma vez por todas. O seu verdadeiro eu (que é de Cristo e tambem seu, sendo seu justamente por ser de Cristo) não surgirá enquanto você estiver procurando por ele. Surgirá quando você procurar por Cristo. Isso lhe soa estranho?
O mesmo princípio se aplica as coisas do cotidiano. Até na vida social você jamais passará uma boa impressão as pessoas, enquanto não parar e pensar sobre o tipo de impressão que está passando. O mesmo se aplica a literatura e a arte; ninguém que se preocupa em ser original será capaz de ser realmente original; se você simplismente se empenhar em dizer a verdade (sem dar a mínima para a quantidade de vezes que ela já tenha sido dita) , em noventa por cento dos casos você se tornará original, sem ter se dado conta disso. Esse princípio perpassa a vida toda, de alto a baixo. Abra a mão de si mesmo e descobrirá o seu verdadeiro eu. Perca a sua vida e você a salvará. Submeta-se a morte, a mortificação das suas ambições e do seus desejos favoritos todos os dias e a morte do seu corpo no final; submeta-se com todo o seu ser, e achará a vida eterna. Não retenha nada. Nada do que você não entregar será realmente seu. Nada que não tenha morrido em você poderá ressuscitar dos mortos.
Se você continuar buscando a si mesmo, ao longo do caminho, só achará ódio, solidão, desespero, fúria, ruína e decadência. Porém, se você buscar a Cristo, certamente o encontrará e com ele as demais coisas acrescentadas.



(C.S. Lewis)

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Não faço pra ser. Faço por que sou. *









“Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra-me a tua fé sem as tuas obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras.” (Tiago 2:18)




Desde o princípio está explícito que toda a criação obedece à lógica simples de dar fruto segundo a sua espécie (Gn 1:11). De modo que é impossível que uma árvore má dê bom fruto.

Vivemos (teoricamente) debaixo da compreensão de que nada que fazemos nos torna aptos a entrar no céu pelo esforço em si mesmo; e igualmente nada que façamos possui o poder de nos tirar do céu. Mas cada pequena ação aponta para o caminho que estamos percorrendo, segundo a nossa natureza (identidade). Se o da santificação, através de constantes confrontos em nosso caráter (Jo 15:2), ou o da perdição, revelado mediante a hipocrisia de uma árvore frondosa que não possui nada além de sombra.

Produzir sombra (lugar de aparente descanso) no Reino de Deus não possui valor algum, visto que o próprio Deus é quem ilumina a todos nós (Ap 21:23). Ou seja, não precisamos necessariamente nos esforçarmos para produzir fruto, mas basta que saibamos com clareza se somos mesmo parte do Reino de Deus ou não.

Não evangelizamos ou cuidamos das pessoas para agradar a Deus. Mas por que somos o povo de Deus, naturalmente fazemos aquilo que é parte de nossa NATUREZA TRANSFORMADA.










*Texto escrito e publicado no site do Ariovaldo Jr.

O Caminho








Antigamente, antes de toda essa parada de cristianismo ou cristãos, a fé que levava Cristo como principal, era chamada de O Caminho.
Os cristãos, eram chamdos de os do Caminho, porque frente a uma maioria de pessoas que não reconheciam Jesus como salvadaor, andavam em uma outra direção, firmes, como se estivessem caminhando para um objetivo.
E nós ? Estamos no Caminho ?

Jesus falou que era o Caminho, a Verdade e a Vida.

Devemos caminhar em Jesus, por Jesus e como Jesus.

Jesus, memso fazendo muitos milagres e obras, nunca deichou de lado seu Caminho. Caminhou firme em direção à morte. Caminhou durante todo seu ministério em direção à morte.


As vezes, essa parada de caminho nos fala fortemente. Quem nunca andou fora do Caminho. Quem nunca andou à margem.

Devemos olhar com profundidade para essa idéia de "CAMINHO".
Jesus disse que era o Caminho.
O cristianismo era chamado de Caminho.
Os cristãos eram chamados de "O Caminho" .

Estamos no Caminho ? Fazemos parte do Caminho ? Somos o Caminho ?


Samuka.

Tabu





Uma coisa é se libertar dos tabus em relação à sexualidade; outra, completamente diferente, é pensar que uma vida sem tabus implica em falta de limite e em libertinagem. Uma coisa nada tem a ver com a outra. Tabu é o que as sociedades criam a fim de impedir que certas coisas aconteçam em coletividade; e, nesse caso, a produção cultural e coletiva, cria “conseqüências de natureza mágica e moral” (psicológica), a fim de que a transgressão ao valor instituído, seja punida; e a fim de que o valor seja mantido pela via do medo a algo que tem o poder divino-satânico de punir horrivelmente os implicados; ou ainda: uma vez que algum membro do grupo seja apanhado, então, em nome do Tabu, ele será imolado, ou exilado, ou banido, disciplinado, ou feito anátema no meio de todos aqueles com quem convive ou convivia. Ora, usar tabus para impedir a sexualidade, é, em si, neurose. Todo aquilo que não acontece em razão de impedimentos vinculados ao medo, vira neurose. Ora, você pergunta: até onde eu posso ir? Minha resposta é simples: “A fé que tu tens, tem-na para ti mesmo...”... “pois tudo o que não provém de fé é pecado...” ... “bem-aventurado é todo aquele que não se condena naquilo que aprova”. Ou seja: quem quer que lhe diga faça ou não faça, está pecando contra a sua consciência. Você é quem tem que decidir; e fazer isso com bom senso, com consciência tranqüila e pacificada, seja qualquer for direção. Tudo aquilo que não é fruto de amor e de consciência tranqüila, não vale a pena ser feito. No entanto, vale aprender a diferença entre culpa real por algo que não se deve fazer; e culpa neurótica, que é filha do medo e dos tabus, a qual, não existe como persuasão da Palavra e do Espírito, mas sim como fobias e medos produzidos pelos ídolos-tabus da religião e de sua moral de tribos antigas: onde sexo ainda é tema para apedrejamento; mesmo que seja moral, psicológico ou social.

Caio Fábio

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

A Graça de Deus








Eu nunca tive problemas com Cristo, mas os cristãos sempre me deram dor de cabeça. E eu costumava evita-los se pudesse. Eu sempre os achei completamente desinteressados culturalmente, politicamente. Achava muito difícil ficar à vontade com eles. Eles pareciam tão estranhos para mim, e estou certo de que eu era estranho para eles.

E apesar de tudo isso eu encontrei algumas pessoas na escola que conheciam as Escrituras. Foi um momento bom, quando algumas pessoas se interessaram muito pela igreja primitiva e a possibilidade de imitá-la.

Mas os cristãos podem ser muito críticos, e, particularmente quanto à aparência das pessoas ou o modo como tocam a vida. Eles têm a tendência de julgar as pessoas por seus problemas superficiais. Imoralidade sexual, essas coisas, são a preocupação histórica da igreja, enquanto que a avareza política ou coisas assim nunca são mencionadas.

Estou bem certo de que o universo opera pelas leis do “karma” e que todas as leis físicas mostram que aquilo que você semeia é aquilo que você colhe. E aí a história da Graça entra em cena, que é de fato a história de Cristo e que vira essa visão do universo de cabeça para baixo.

Ela é completamente contra-intuitiva. Quero dizer, é muito difícil para os seres humanos entenderem a Graça. Podemos entender a propiciação, vingança, justiça… Tudo isso pode ser compreendido, mas não entendemos a Graça muito bem.

Estou muito mais interessado na Graça porque dependo dela, preciso dela desesperadamente. Se eu viver por meio do “karma”, estou com grandes problemas.

Jesus foi como Charles Manson, um maluco total, ou, em minha opinião, foi quem ele disse que era [filho de Deus]. E estamos diante de uma escolha muito difícil.

Porque esse homem foi para cruz dizendo que era aquele que havia sido anunciado e que era Deus encarnado e que Deus amou o mundo tanto que ele tentou se explicar ao mundo tornando-se um de nós?

(Bono Vox)

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Ser e Viver .








Como religião , entendo uma idéia política de se fazer com que pessoas se tornem coisas, a partir da premissa que , por controle de desejos, é por vezes , atrofiada a vontade de viver e ser.

Ao contrário do pensamento contemporâneo do “ter” , o “ser” e o “viver” , que contém o desejo primitivo de satisfação em nos relacionarmos com nós mesmos, com os iguais e com todo mais que existe nesse cosmos, nos permitem existir em plenitude.

A religião, que traz a regra do “não” , ao dizer “não” ao prazer , deu ao corpo, a imagem que todo pedófilo, estuprador, violentador e psicopata precisa para se saciar; Pois o corpo, em sua saúde vital, é uma festa. E não uma anomalia, como se é pensado.

A religião , deu barba e cajado para deus; E hoje , condena os seios e o clitóris; Diz que é coisa do diabo...

A religião, impede que vejamos que o primeiro milagre do Cristo, foi transformar água em vinho, em uma festa, aonde todos já estavam bêbados, em uma festa, como o casamento, que afirma perante todos, a certeza do amor, da vida e da cumplicidade.

A religião , principalmente a ocidental, colocou uma auréola dos deuses tutelares romanos, um manto branco de druida céltico, uma barba de germânico e olhos de noruegueses em Jesus.

No filmes sobre a vida de Jesus, o Cristo ganha movimentos e fala de robô, e parece assim , quase sem querer, que está em transe budista( Não tenho nada contra o budismo, mas pelo contrário, admiro) .

A imagem do Jesus ocidental, branco e claro, desenhado pela religião, exclui o negro, o preto, o mulato, o pardo, o indígena e o latino de todo e qualquer contexto de protagonização.

Não era Jesus do Oriente Médio ? Não era para Jesus ser então, um pouco mais escuro do que de costume ?

COISAS DA RELIGIÃO !!!

A religião é um trilho, e só anda quem tiver a capacidade e a covardia de ter o encaixe perfeito.

Entre todas as filosofias que percebo, a única que me chama atenção, é a de viver fora do abrigo e consolo espinhoso da religião.

Escolhi viver entre os braços do Cristo, que veio me trazer “vida em abundância”, reforçando a idéia do “ser” e do “viver “, me libertando da idéia do “não”, e me cativando muito mais pela idéia de me ensinar a viver , e não pela idéia de me ensinar a morrer.



Na resistência,

Na revolução,


Samuka.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

O que é o M.U.C. ?

- Temos como alvo Jesus; Aquele Jesus que parece muitas vezes chato e idiota...Mas que cremos que é verdadeiro, vivo e simples.

- Queremos nos relacionar com as pessoas da mesma forma que Ele, se relacionou; Sem julgamento, sem preconceitos, sem subterfúgios ou segundas intenções !

- Cremos no Cristo relacional, que fundou um caminho direto à Deus; Ou seja , nos ligou à Deus e nos ligou uns com outros.

- M.U.C. é um momento para pararmos para refletir juntos, sobre as questões que nos cercam, as nossas dificuldades, nossas angústias e juntarmos tudo isso com nossas falhas e pecados, e crendo, lançar essas dificuldades para um lugar bem longe e assim, tentar enxergar a vida da forma que Cristo disse que deveríamos.


- M.U.C. , é a hora para que possamos unir nossas forças, nossa essência e identidade, para ajudar as pessoas que estão nosso redor, necessitadas e carentes, para ajudar a nós mesmos e assim, crescer de forma ímpar e visceral, no sentido mais profundo do amor e da cumplicidade. Como vamos conseguir ? Jesus dirá !


- No M.U.C., todos serão bem vindos e aceitos, porque Jesus, trata com todos; Não de forma externa, mas de forma interna e notória. Serão bem vindos os Skin, os Emo's, os Rastas, os BlackPower, os Punk´s, os Agropunk's, os Hooligans, Casuais, Hip Hopper's , New Age's, os RiveThead's, Tecnossexuais....blá, blá, blá ! Venham todos!


- M.U.C. é Movimento Underground Cristão.

O que o M.U.C. não é ?

- Não é uma tentativa de levantar mais uma igreja, ministério, movimento, visão ou seita.

- Não é uma tentativa de levar pessoas para à "IGREJA" (Mesmo que queiramos que as pessoas cheguem até "JESUS".).

- As reuniões, mesmo sendo realizadas em uma "IGREJA", não há nenhuma ligação com a "IGREJA". A decisão de se fazer na mesma, partiu da ideia de que não há condições financeiras para se alugar um outro determinado local para as reuniões. E nessa ânsia, o líder da Igreja Nova Vida, de bom grado e de forma gentil, nos emprestou o prédio para as reuniões.

- Não é uma tentativa de fundar uma Ong, instituição com arrecadação monetário que visa o lucro e nem muito menos algo para ofender pessoas ( Mesmo que quando é falado em "JESUS" ou "DEUS" certas pessoas se ofendam.)

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

A Igreja do Nazareno .






...eu quero a igreja do nazareno porque ela é totalmente prática e simples.
Qualquer um entra, come, e é feliz em Jesus.
é um lugar de amor e conforto em meio a toda correria e toda a humilhação do mundo.

Se fomos zuados, tratados injustamente, se fomos violentados (por nossa própria idéia), lá, eu vou encontrar um abraço sem segundas intenções.

Lá, tanto a prostituta ( que se vende para dar leite para o filho), come pão com aquele que vai transar só depois do casamento . Por que ? Porque a língua de identificação, o idioma do local é respeito e amor, ou seja, Cristo!

Eu quero a igreja do nazareno, porque lá todos são iguais. Cada um com sua falha e fardo.

Não é uma "Igreja", mas uma "igreja"...porque aqui, só quem tem letra maiúscula no nome, é aquele que fez com que todos pudessem ter uma segunda chance!


Paz

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Creio...













Desde sempre eu cri em um exército sem rótulo, mas com uma bandeira totalmente revolucionária.
E essa bandeira é Jesus, simplesmente e alucinadamente Jesus!
Um exército que não se preocupa com o que pensem ou com o que irão acreditar, é um exército que marcha sem parar , sem relevar as injúrias, pois na verdade, o alvo é a justiça do Pai.

Essa galera é muito loca, muitos falam isso. é uma galera muito loca porque vive intensamente e crê intensamente... insatisfatoriamente.

Não existe "escolas" capazes de defini-los. Marxistas? Veganos? Cristãos-Underground's ? Essênios? Xiitas ? ...Suicidas ? Podem apostar!


É uma galera que a muito tempo viveu no osso, viveram toda a zuação possível que o mundo poderia oferecer. A travação estava além de Whisky e energético, a travação era na mente...a incapacidade de enxergar a luz.


Mas hoje enxergam....enxergam a luz.


Vivem sem medos, sem vergonhas, sem subterfúgios, sem meias palavras, pois o passado, não existe mais.


Furados, alargados, riscados e marcados. À margem ? Talvez .

Mas sempre fortes.

Sempre com a bandeira de Cristo ...


Eu ainda creio nisso!







Samuka.






(Ao som de "T.O.M.N.S.A.U.A.I. - A Última Theoria ")

* Capital Augusta






Imagine uma comunidade diferente. As pessoas vivem como estranhos e estrangeiros em um mundo que não é o próprio deles. Estão em uma jornada rumo a um lugar melhor. Não se satisfazem com a simples sobrevivência ou mediocridade, por isso não se rendem ao contentamento. Andam na luz; não querem segredos, vidas paralelas ou interesses ocultos.

Estão dispostos a admitir o que já foram. Afirmam com um sorriso: – “Já fui um lixo. Não tinha nada e era o pior dos piores. Já fui vil, feio e violento. Desesperado, sujo e tolo”.

Dão gargalhadas ao dizerem: – “Já estive morto”. Mas agora, em contraste, extraem poder e combustível que mantêm sua rebelião forte. Não do seu presente, mas da presente realidade do seu futuro. Da realidade do Reino Eterno.

Por isso, com a boca cheia eles afirmam: – “Mas agora tenho vida; agora amo, rio, reparto, sirvo e sacrifico. Agora não estou mais só. Agora faço parte de um povo. Agora sou parte do povo de Deus. Antes eu era um nada, mas agora sou alguém. Sou parte de uma nação celestial.”

Estávamos atolados e presos na loucura de nossa própria vida e pecados. Mas agora somos um movimento. Somos um movimento crescente e possuímos com o coração em chamas. Completamente entregues, devotos, renascidos. Encontramos propósito na vida e, encontramos um Deus vivo.

Um Deus que prefere que o tratemos de Pai e, sob Seu amor e poder, avançamos nossa revolucionária conspiração de bondade.

Nosso objetivo é tão simples de ser compreendido, quanto aparentemente ridículo de se concretizar. Nosso objetivo é amar. Ver o amor reinando em todo lugar.

Como um ditador benevolente: amor nas ruas, becos e avenidas. Amor nas cidades e nos campos. Amor nos condomínios e nas favelas. Amor fluindo cambaleante como um bêbado, o qual desce a Rua Augusta. Uma rua cheia de bordéis e boêmios. Amor que chega aos brancos, negros, amarelos e vermelhos. Que fala todas as línguas e não conhece racismo ou preconceito. Que abraça doutores e doentes, traficantes e viciados, bancários e banqueiros, políticos e trabalhadores, prostitutas e freiras, detentos e policiais, trabalhadores que ganham pouco e vagabundos que ganham muito. Amor para todos e tudo por amor!

Somos revolucionários maltrapilhos contra o ódio, a guerra, o preconceito, a solidão, o tédio, a falta de propósito. Somos cientes de que Jesus não morreu para que fôssemos à igreja uma vez por semana para cantarmos algumas canções e fingirmos que aprendemos algumas coisas. Cremos que sua morte foi o início dessa revolução e em Sua ressurreição recebemos nossa ordem de avançar. E a ordem que recebemos é: amem, como eu amei vocês. E quando vocês amarem, então vocês viverão.





*Texto retirado do blog "Capital Augusta".

sábado, 8 de outubro de 2011

* Minha Mente Oxigenada









Eu choro pela minha geração. Sinto como se estivéssemos tão perto e ao mesmo tempo tão longe de uma fé que colocava o sorriso no rosto do homem queimado na fogueira por se recusar a negar a Jesus, o Cristo. Pois sabia que todo sofrimento e agonia não duraria mais do que alguns minutos… e que sua mulher e seu filho, amarrados ao seu lado, experimentariam de gozo eterno, incomparavelmente melhor do que qualquer coisa conhecida nesta vida. Aquela era uma época em que retroceder não era uma opção.
Hoje temos tudo e ainda sim falta tudo.
Nos falta a guerra… o sangue sendo derramado e a coragem de preferir que este sangue seja o nosso.
A tarefa passada por Tyler Durden no filme clube da luta quando diz “provoque uma briga com alguém desconhecido e perca”, nos parece absurda por que nos recusamos veementemente a perder.
Nos falta a convicção de que o anonimato é poderoso no Reino de Deus. Nos esquecemos de que o Reino é movido pelas orações feita no quarto, e não pelos pregadores nos púlpitos.
Que nossos púlpitos são as ruas… nossa pregação é nas conversas com estranhos.
Nossa vitória está na discussão inflamada de paixão… que não tenta argumentar a favor de Deus, mas revela as maravilhas que só quem possui o Santo Espírito é capaz de compreender.
Onde estão os profetas de nossa geração? Até quando acreditaremos nas mentira que nos foram contadas?
Até quando teremos medo do espírito de devorador? Pq o mundo precisa de homens como João Batista, que comia devorava o gafanhoto devorador…
Sinto falta em nossa literatura contemporânea das histórias fantásticas. Cadê os exemplos de garotos franzinos que vencem guerreiros gigantes pelo poder de Deus? Dos homens que montam um exército com uma multidão de angustiados e endividados. Ou será que isto não acontece na nossa realidade. Ou será que perdemos a capacidade de contar histórias com toda a beleza inspiradora de um evangelho que nunca morre?
Nossa fé perdeu a relevância ou nós é que estamos olhando tudo pela ótica equivocada?
Somos cansados, mas não desanimados. Perxplexos, mas não desamparados.
Nós somos aqueles que escrevem a história da igreja.
E que nosso nome seja esquecido. Mas um dia as pessoas dirão “NAQUELE LUGAR HOUVE UM POVO QUE FEZ COISAS INCRÍVEIS. E POR ISSO NÓS ENCONTRAMOS A SALVAÇÃO TRAZIDA PELO FILHO DE DEUS”


*Texto escrito por Ariovaldo Jr., não o Ramos, o Jr. Postado em seu blog.

O que vemos, o que o pai vê.




"O Senhor não vê como o vê o homem. O homem olha para o0 que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração." (1 Samuel 16:7)



O Pai sempre vem com essas idéias para nos quebrar, literalmente.
Pelo mesmo fato de que os homens sempre se organizaram levando em conta todas as características culturais, e todas a manifestações que os identificaram como iguais, as questões antropológicas de cada "homo sapiens", revelam como cada um , vê o seu mundo, o mundo real, o modo que todos nós percebemos abaixo de nossos narizes.
E somos todos diferentes, todos inexplicavelmente diferentes e difusos.
Essa cosmovisão, que nos faz ser dessa ou daquela cultura, está ligada intrinsecamente a toda a nossa formação como ser, desde aquilo que ouvimos ou sentimos no ventre de nossas mães, até o que já passamos hoje. Esse mundo, o mundo real, interfere de forma direta e indireta, e isso, segundo o que sei, nos forma, nos forja.
Nossa estrutura de essência, é a mais diversa.
Nossa alma, que nas literaturas antigas são chamadas de "coração" , é o real alvo de Deus. Para onde ele olha.

E em nossas almas, está a nossa verdadeira digital, nosso verdadeiro DNA, de forma mística, de um jeito , que só o Pai reconhece.

Por isso, tenho certeza, de que o Pai, olha para dentro de nós, nos sonda, e sabe verdadeiramente quem somos, o que precisamos e o que irá acontecer conosco.

Descansaremos ?


Paremos de tentar ser o que não devemos ser. Vamos nos permitir ser o que o Pai quer que sejamos.
Ele sabe quem somos, como nenhum outro.


O Pai não nos julga, não nos condena, não nos abandona, por mais que fique em silêncio, não nos rejeita. Nós o rejeitamos.


Deus olha para o que realmente interessa.



Samuka.



(Ao som de Remy Zero - Save me )

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Batismo.





Existem muitos segredos e mistérios acerca das coisas espirituais.
Principalmente acerca da transição do ministério de João, o Batista, para Jesus, o Verbo que se fez carne.

Uma das coisas que me alucina, com certeza é que João disse:

"eu vos batizo com água, mas virá aquele que vos batizará com fogo!"


E nesse ínterim, buscamos o batismo nas águas, ou , o batismo de João, para melhor especificar, depois o batismo no Espírito ( e por falta de entendimento, achamos que a grande prova disso , é o falar em línguas!) .


Mas e o batismo com fogo ?

Quem está buscando ?








Samuka.

Ao som de : Detonautas.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

O Amor de Deus




O amor de Deus pela humanidade, não é algo passageiro e efêmero. Não é um amor daqueles que deixa de amar só porque conheceu alguém mais interessante.
O amor de Deus, não é o mesmo amor que temos por sorvete de chocolate ou pastel de carne, não é o mesmo amor de um beijo roubado.


O amor de Deus não é uma aventura duvidosa, cheia de coisas que não se sabe no que vai dar!


O amor de Deus não é "te amo hoje, amanhã já não sei"

O amor de Deus não é uma noite de sexo.

O amor de Deus não é um show da Lady Gaga.

Não é uma nave espacial pousando na lua.

Não é um estádio de futebol gritando gol.


O amor de Deus, não é um oceano.

Nem igreja.

Nem dinheiro.

Nem nada do que se pode ver .


mas o amor de Deus, permite todas essas coisas citadas e mais pouco...

terça-feira, 20 de setembro de 2011

A Imagem de Deus





E ela nem sempre é do jeito ou da maneira de como ele é .
Vai ver é porque nenhum de seus representantes foram da maneira que deveriam ser.
Talvez porque, a visão política que defendiam, defendia muito mais a sua própria linhagem , do que proteger a própria imagem de Deus.
E tem também aqueles que atribuíram a Deus, uma visão filosófica( sem falar na doutrinária e dogmática), que na verdade era muito mais focada no homem do que em Deus.
E em todas as justificativas que os homens deram sobre e acerca de Deus, não foram convincentes, até porque, quando tiveram a sensação de que Deus poderia significar riqueza e poder, o próprio Deus, se afastou e se retirou, porque Deus, não compactua com imoralidades, a não ser, quando Ele se dá em direção ao resgate existencial do homem.
Como um ser que é Pai , muito mais do que criador ou senhor, Ele é o Pai daquilo que existe.
E agora, digito com toda credibilidade e fé, que Deus, é suicida quando seu projeto é o resgate da humanidade.
Não poupa créditos, Ele aposta tudo o que tem, e apostou tudo o que tinha.


Talvez seja isso que mais me alucina na busca por Deus, seu desejo enlouquecedor de tentar dar ao homem, tudo o que for possível para que ele ( o homem) perceba sua grandiosa mão já atuante à favor .
Em certos momentos, eu me admiro e me emociono...
Em outros, só fico em silêncio. Frente a imagem cativante de Deus.



Ao som de : "Caio Fábio"

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Alergia !









Se há algo que nos afasta de algumas coisas é quando somos alérgicos a algo, aqueles que dividem comigo a velha e má tendência em espirrar só de ver uma almofada de lã sabe do que eu estou falando e realmente não temos nenhum desejo em encostar a cabeça nela.
Baseado nessa situação começei a observar algumas tendências parecidas na vida cristã e atualmente vejo uma série de cristãos alérgicos, não somente a lã ou ao pó mas a outras coisas.

Abaixo consegui filtrar 3 tipos principais dessas "alergias", vou ser breve e objetivo quanto a elas, buscando que você apenas considere uma ou todas:

ALERGIA À PROSPERIDADE

Creio que esse é o que causa mais "espirros" e "coceiras" nos cristãos. Não se pode ouvir nada que tenha a palavras: Celeiro, Prosperidade, Abundância e principalmente DAR.
Com toda certeza essa alergia é resultado da heresia americana conhecida como “teologia da prosperidade” e também o certo antrôpocentrismo que muitos cairam, mas não devemos nos alarmar tanto a ponto de sermos contra algumas práticas bíblicas, como o dízimo, ofertas, doações, e ceifar bastante porque bastante plantou. Devemos ficar alertas aos lobos que realmente fazem da fé um mercado, mas não podemos deixar de sermos cristãos desprendidos prontos a ofertar e ajudar aqueles que precisam.

ALERGIA AO VELHO TESTAMENTO

Brigando pela medalha de ouro, há cristãos que praticamente menosprezam o velho testamento. É comum ouvirmos: “Ahhh isso ai é a lei, não impera mais hoje”, porém é necessário estar bem longe dessa alergia que nos impede de olhar para o velho testamento vendo Cristo satisfazendo e cumprindo a lei por completo, e sendo o nosso redentor, claro que algumas práticas velho testamentárias foram cumpridas em Cristo e devemos nos apegar na graça, porém nos distanciar de qualquer parte das escrituras pode ser um erro fatal para muitos cristãos.


ALERGIA À VOLTA DE CRISTO

Se pudéssemos contar creio que faríamos outra bíblia profética com o tanto de “revelações” sobre a volta de Cristo, sem contar as inúmeras correntes escatológicas sobre arrebatamento, milênio, céu, inferno, sono da alma, etc e etc...
Isso é resultado de uma certa falta de confiança no que Cristo nos prometeu, que é aguardá-lo com fé fazendo a missão que ele nos deixou e não ficar promovendo previsões, e especulações sobre a data desse maravilhoso momento.



(Ítalo Guimarães )

Hooker for Jesus !








Desde pequena eu sabia o que era certo.

Meu pai, um dos principais da sinagoga, fazia questão de nos ensinar toda a Torá desde pequeninos. Na verdade, ele ensinava somente aos meus irmãos, mas eu me aventurava em ouvir os ensinos, escondida atrás da porta. Achava fascinante, e ao mesmo tempo pesado… eram tantas leis, tantos mandamentos…

Será que algum homem seria capaz de cumpri-los todos? Sinceramente, achava impossível… e me calava.
A esperança brilhava nos meus olhos quando o ouvia falando do tal messias, o que viria para salvar o seu povo. Como deveria ser? Será que o tal messias me olharia um dia nos olhos? Ou será que estava condenada a viver minha vida toda atrás das portas… escondida dos homens?

O tempo passou. Cresci, e ainda em minha adolescência fui obrigada a casar com um homem a quem não amava. Era o costume, e assim foi… Eu era cuidada por ele como um objeto precioso, havia respeito, mas não amor, amor que eu tanto procurava. Os amigos de meu pai me consideravam uma jovem muito bonita e faziam questão de externarem suas opiniões. Eu gostava. Não ouvia tais elogios de meu marido.

Fui me acostumando àqueles elogios. Na verdade alguns eram até ousados demais, e me deixavam sem graça, pois percebia suas intenções, podres intenções. Eram homens casados também, oficiais na sinagoga, alguns anciãos, outros mais jovens, mas queriam que eu os servisse, nem que fosse por uma noite apenas.

Aquela situação me causava muito desconforto. Sentia raiva,e até mesmo nojo daqueles homens… exceto um, que me chamava a atenção. Era casado também, mas parecia me querer bem… fui seduzida!

Nunca imaginara trair meu marido, mas naquela madrugada, antes do nascer do sol me entreguei àquele homem. Nem de longe imaginava o que ainda estava por acontecer.

Os outros homens, amigos do meu pai, haviam percebido o meu envolvimento, e seguiram-nos até nos pegarem em pleno ato de adultério. Meu dia estava apenas começando. Quanta vergonha!!!
Pegaram-me, nua, e carregaram-me para o Templo, onde um homem de Nazaré ensinava naquela manhã que nascia. Havia uma multidão para ouvi-lo. A vergonha era maior ainda. Muitos me conheciam… muitos conheciam meu pai… muitos conheciam meu marido.

Tive medo!

Fui jogada no meio da multidão, que se acotovelava para ouvir o tal profeta Galileu. Achei estranho perceber que estava só. Apesar de eu e meu então amante sermos pegos juntos no ato de adultério, apenas eu fui levada como adúltera… ele não!

Olhei então e vi aqueles homens que antes me assediavam, perguntando àquele Rabi: “mestre, esta mulher foi surpreendida em adultério. Na lei, Moisés nos ordena apedrejar tais mulheres. Tu, porém, o que dizes?”

Eu olhava aquela cena e meu nojo aumentava. Os homens que queriam apedrejar-me eram os mesmos que viviam se insinuando para mim. Quanta hipocrisia. Quanto ódio tive da religião!
O tal Rabi galileu permanecia calado.

De repente, inclinou-se e começou a escrever na terra com seu próprio dedo. Eu não acreditava no que meus olhos começavam a ler.

Aquele homem começou escrevendo o meu nome, e abaixo do meu nome começou a enumerar os meus pecados. TODOS os meus pecados!

Eu queria a morte naquele momento. Que as pedras viessem logo. Não suportaria tanta vergonha.
Num ímpeto, o Rabi levantou-se e disse àqueles homens, meus censores, prontos a colocar sob um monturo de pedras mais uma adúltera: “quem dentre vós que não tem pecado, seja o primeiro a lhe atirar uma pedra!” … E voltou a escrever meus erros na terra.

Algo muito estranho começou a acontecer: a começar dos mais velhos, um por um, forma largando as pedras em seus pés, virando as costas, e indo embora.

Ficamos só eu e o tal profeta.

Eu tremia!

Ele calmamente levantou-se e veio em minhas direção. Percebi algo no seu olhar. Era diferente. Ele não me desejava. Vi amor no seu olhar. Nunca antes alguém havia me olhado assim. Enquanto caminhava em minhas direção, não tive como não perceber que suas pegadas firmes e constantes, pisavam e apagavam a minha enorme lista de pecados. Lembrei-me de um texto que sempre ouvia meu pai ensinar aos meus irmãos: “pelas suas pisaduras fomos sarados”.

Seria esse Rabi, diante de mim, o messias esperado? Bem que eu já havia ouvido rumores a respeito disso.
Ele aproximou-se de mim, e tirando a sua capa, cobriu a minha nudez. Perguntou-me com uma voz inconfundivelmente firme e amorosa: “Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou?”
Minha voz trêmula conseguiu balbuciar: “Ninguém, Senhor!”

Ele então, segurando em minhas mãos e erguendo-me do chão, olhou nos meus olhos e disse: “Nem eu te condeno. Vai, e de agora em diante não peques mais.”

Meus olhos marejados ainda puderam ver aquele homem se afastando e voltando a ensinar o povo. Eu estava verdadeiramente diante do messias!

Olhei para o chão e lá estavam todos os meus pecados apagados pela sola dos pés daquele rabi. Só uma coisa não havia sido pisado: o meu nome! Ele estava intacto, escrito pelas mãos do próprio salvador. Lembrei-me então de um outro texto sempre recitado pelo meu pai, acerca do messias: “Ele não esmagará a cana quebrada, nem apagará o pavio que ainda fumega…”

Fui para casa… mas sabia que daquele dia em diante nunca mais seria a mesma. Nunca esquecerei de seu olhar, sua voz, e seu amor: “Nem eu te condeno!”

Prossigo em meu caminho, às vezes tropeçando, mas sempre com sua fala graciosa ecoando em mim: “Vai, e de agora em diante… não peques mais!”



(Hooker)

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Morrer em Batalha







Talvez eu nunca consiga ver um morto ressuscitar, um coxo levantar, um aidético ser curado, um cego voltar a enxergar, um mudo falar, assim com acontecia quando o Verbo se fez Carne!
E faz muito tempo que leio os evangelhos, toda a minha adolescência me dediquei a isso, mas nada aconteceu.
E quando leio os evangelhos, percebo Jesus fazendo mil maravilhas e prodígios, e no final de um de seus evangelhos, o de Marcos, ele afirma que prodígios e maravilhas acompanhariam a vida de que conseguisse crer!
E tenho pensado se há algo errado comigo...pois eu nunca vi um morto levantar em um velório, e acredite , eu já tentei. Fiz uma oração bem baixinho, e não deu certo.
Acima de tudo eu percebo, que durante toda a história bíblica, Deus tenta de todo custo, chamar a atenção de sua criação tão amada, a humanidade. E o mais incrível, é que o homem pouco responde a isso.

No final dos 400 anos de silêncio de Deus com o povo de Israel, levantou-se um cara chamado João Batista, e ele creu no que lia...
E seus textos preferidos eram os que falavam sobre a vinda do messias.
Tanto que ele largou sua posição de sacerdote, e foi morar no deserto, procurar Deus...e procurar o Messias!

E ele procurou tanto, que achou.

E para dar mais sentido a nossa história, o Messias, disse que de entre os homens, nunca existiu alguém como João, o Batista.

O consolo, no meio de tudo isso, é que João Batista, o cara que foi para o deserto buscar arrependimento e procurar pelo Messias, ele mesmo sendo o exemplo dos filhos de Adão (ou de Darwin, depende sua visão), e levando o povo a reconhecer o divino, e atentar para a redenção que viria sobre o povo de Moisés, nunca viu um milagre!

Você entendeu? João Batista, nunca viu um milagre. Na realidade, João Batista, passou os últimos dias de sua vida, dentro de uma cadeia, e após isso, foi decapitado! Cruel não é ?


Mas quero fechar essa reflexão, dizendo que eu talvez não possa ver uma grande maravilha de Deus, até porque Deus não precisa me provar nada, mas assim como João, quero morrer pela causa do evangelho. Se for possível, passar dentro de um calabouço sujo em algum lugar nos confins da terra.

Porque morrer em batalha, deve ser uma questão de honra.


Samuka.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011



(Clique na imagem para uma melhor visualização!)




Gandhi escreveu para Hitler
No dia 23 de julho de 1939, Mahatma Ghandi, o líder pacifista do processo de independência da Índia, mandou uma carta Hitler, presidente da Alemanha e que tinha acabado de comandar a invasão da Polônia. Na carta, o indiano pede ao alemão que evite a guerra, como conselho que alguém que tinha feito isso e teve sucesso. A carta foi interceptada pelo governo britânico e nunca chegou às mãos de Hitler.


Querido amigo
Amigos têm me pedido com veemência que eu lhe escreva para o bem da humanidade. Mas eu tenho resistido a esse pedido, pois eu sinto que qualquer carta minha para você seria impertinente. Algo me diz que eu não devo hesitar sobre isso e devo fazer meu apelo, que pode valer a pena.
Está bem claro agora que você é o único homem no mundo que pode impedir uma guerra que poderá levar a humanidade ao estado selvagem. Você deve pagar esse preço por algo, por valioso que lhe pareça? Você vai ouvir o apelo de alguém que deliberadamente deixou de lado métodos de guerra e obteve considerável sucesso? De qualquer forma, antecipo minhas desculpas, caso tenha errado em escrever para você.
Eu permaneço
Seu sincero amigo
M. K. Ghandi


(Tirei do Perfil do Tumblr do Celio Machado)

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Ame, Pois as Diferenças Não Importam!









"Se nossa geração for lembrada por Ipods, MySpace, Orkut e Youtube, nós erramos. Se a história falar de nossa geração como pioneiros individualistas da era digital, dos Reality Shows e celebridades nós teremos falhado nos nossos propósitos. Toda geração precisa de uma revolução e essa tem que parecer, soar, andar, e respirar AMOR.
Não é um conceito novo. É um conceito eterno. É a razão pela qual vivemos. É o chamado fundamental do que significa ser um seguidor de Cristo.
Ame a Deus. Ame as pessoas. É essa a revolução. Que revolucionário, eu sei. Mas, se nós compreendermos o que isso significa, se estabelecermos em nosso pensamento como isso é e começarmos a vive-la, nós mudaremos o mundo..."

(Joel Houston)

sexta-feira, 12 de agosto de 2011





"Eu acredito no cristianismo como eu acredito no sol, não por aquilo que ele é,mas que
através dele eu posso ver tudo ao meu redor."

(C. S. Lewis)

O Amor, o primeiro de todos os dons!






"Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;
Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.
Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor."


(Paulo, Primeira carta aos Coríntios, 13)

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Fora dos Holofotes. (Preso como assaltante)









E o ministério de Jesus foi o ministério, falando assim, no linguajar "gospel", foi o que menos prosperou materialmente. Era um marginal.
Mas uma coisa era certa, se você se encontrasse com ele, sua vida ficaria um pouco diferente, porque as pessoas sempre ficavam diferentes, ficavam com uma percepção diferente do mundo. E se continuavam da mesma maneira, não era por falta de aviso.
E no início de tudo, Jesus sempre teve muitas pessoas junto à ele. Na verdade eram multidões, multidões que o seguiam, multidões que não iam mais ao templo ou a sinagoga ouvir os sermões chatos dos fariseus, escribas e mestres da época.
Os discípulos, não eram só os 12, eram muitos, no mínimo 70. Eram os dele, e os de João, que se juntaram a Jesus. E andavam de um lado para o outro.
Curando, libertando, transformando, amando e firmando relacionamentos e amizades verdadeiras.
E Jesus até chorou por perder seu amigo Lázaro. Jesus era humano. Ele chorou.

Mas enfim, eles o seguiam sem rumo. Eles, Jesus não. Jesus caminhava rumo à morte. Mas isso é outro papo!

Jesus andava rodeado de pessoas, mas estava longe dos holofotes, aliás, ele fugia deles.
Fazia questão de fugir deles.
E sempre quando atingia ( vou usar o vocabulário gospel novamente!) uma vitória, Jesus nunca ia para a "pizzaria" comemorar com seus amigos. Jesus era chato ? Não, na verdade, ele adorava vinho e festas. Seu primeiro milagre cara, foi transforma água em vinho em um casamento.
Jesus quando vencia o diabo, ou o pecado, ou a si mesmo, era pego saindo de mansinho, para procurar um lugar para simplesmente orar!


Ele era assim. Eu imagino ele assim.

Eu imagino Ele chorando, rindo, dançando, festejando, comendo, falando de boca cheia, abraçando sua mãe e seus irmãos (irmãos mesmo, Maria transou depois, fez sexo com seu marido e teve filhos!), brincando, fazendo piada e dormindo...tranquilão.
E se fosse no tempo de hoje, ao contrário de todas as tradições tradicionais cristãs, ele estaria no orkut, no Facebook, comendo Mc Donalds, bebendo uma Heineken ...sei lá. Humano mesmo e depois, seguiria sua viagem.



Voltando aquele tempo, e naquela história, Jesus estava rodeado de pessoas, de todos os tipos. olhe o perfil dos discípulos principais. Doutos? letrados? eruditos ? Cultos ? ....Talvez Judas, o Escariotes, e Mateus, também chamado de Levi. Os dois eram homens inteligentes!
Mas a maioria era pé-rapado mesmo, gente da roça, pescador, gente grossa.
Imagino Pedro falando daquele jeito rude, quando encontrou Jesus, mas depois , quando em sua carta, quando fala "filhinhos", não consigo imaginar! Consigo crer, mas não imaginar.
Jesus educou o cara, não só o salvou!
Jesus transformou gente grossa em pessoas capazes de levarem o "acordo" de Deus com a humanidade! Isso é um milagre.




Bem, e Jesus, quando entrava em seu "Perfil" no "Twitter", percebeu que cada vez mais
, as pessoas estavam deixando de segui-lo. O que estava acontecendo com os seguidores de Jesus ? Estavam se auto-excluindo ?


Eram multidões incontáveis, não só judeus!
Era Maria Madalena, sua mulher e amiga preferida (A Maria de muitos homens!)
Eram no mínimo 70 discípulos.
Eram 12 preferidos.
Eram 3 mais íntimos.

E na última noite, eles estavam dormindo ao invés de estarem com ele orando.




Jesus, aquele que tinha feito muitos milagres, curado multidões, estava sozinho com "Você Sabe Quem !"
Longe dos holofotes, longe de tudo, longe de todos, mas muito perto daquilo que ele veio fazer!



Alguns minutos depois, além de estar longe dos holofotes, quando estava sendo preso, disse:

" Então disse Jesus à multidão: Saístes, como para um ladrão, com espadas e paus para me prender? Todos os dias me assentava junto de vós, ensinando no templo, e não me prendestes." (Mateus 26: 55)


E de repente, nesse momento, percebeu que seus seguidores no "Twitter" tinham desaparecido.
O último, o negou 3 vezes! "Twitou" 3 vezes : "Não o conheço!"



Algumas horas depois, após terem batido nele bastante ( fui econômico), colocaram ele em um lugar, pregado por mãos e pés. Bem longe dos holofotes!


E quando todos tinham o abandonado, ao seu lado, havia um camarada na mesma situação, e disse:

"Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino." (Lucas 23:42)

E Jesus, com alegria no coração respondeu :

" Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso." (Lucas 23:43)


E naquele mesmo momento, o "Twitter" de Jesus, novamente, voltou a ter 1 seguidor!



Preso como um assaltante.



Longe dos holofotes.



Sem prestígio.



Toda honra a Jesus, o cara que começou o ministério "Underground Cristão"!






Teu irmão,
Samuka!






(Ao som de "Beautiful day - U2")

* Jesus e o Rock







Há uma história sobre um tal de Jesus. Talvez já tenha ouvido falar alguma coisa sobre ele. Dizem que, por falta de vagas nos hotéis próximos à rodoviária, sua mãe acabou parindo no curral dos animais. E na falta de um berço decente, o pobre coitado teve que se contentar com o cocho dos animais se alimentarem. Há relatos também de que o casamento de seus pais aconteceu em meio a certas circunstâncias estranhas. Parece que o homem suspeitava que a gravidez de sua futura esposa era de outro. E isso era bem provável, pois ela ainda era comprovadamente virgem. Como diz o ditado: “família é tudo igual… só muda o endereço”. De fato, a inseminação artificial na época era DIVINA!

Lá pelos seus 12 anos, o moleque espichava na altura e começava a por pra fora os ideais reacionários de seu pai (não o de criação, mas o que engravidara sua mãe antes do casamento). Ao invés de ir pro campo de futebol que ficava próximo ao local onde se crucificavam pessoas (na época as penitenciárias não eram muito populares), o pivete insistia em perturbar os religiosos. Enchia todos eles de perguntas. E surpreendentemente, eles até gostavam. Digo que isto é surpreendente por que não se fazem mais religiosos como antigamente. Hoje em dia perguntas não são tão bem vindas. Principalmente se for sobre gastos de dinheiro nas igrejas.

Então Jesus atingiu a maioridade civil! E resolveu que ia fazer uma turnê com sua banda pelas cidades próximas. Como loucura é algo magnético, rapidamente recrutou 12 integrantes. Na época era permitido montar bandas de rock com tantos membros. Hoje em dia, passou de 5, é considerado grupo de pagode. O nome da banda era “O Filho e os homens”. Só tinha um problema: ninguém sabia tocar nada. Mas Jesus era um cara persistente. Como todo bom brasileiro, estava decidido a não desistir nunca! Acabou que por um erro de pronúncia, a banda ficou conhecida como “Filho do homem”. Mas há certa justiça nisso, pois infelizmente a banda não era tão boa. Bom mesmo era o vocalista. Jesus arregaçava com tudo e com todos. As letras de suas músicas mexiam realmente com as pessoas. E curiosamente, não havia nada de tão novo. Fazia algo que o Iron Maiden faz até hoje: citou textos históricos e amplamente conhecidos. E em meio à turnê, multidões começaram a se aglomerar. E graças a seus talentos vocais insuperáveis (desculpe Bruce Dickinson, mas Jesus era o máximo), ficou conhecido por Mestre.

A maioria das pessoas ignorava que o talento de Jesus foi descoberto por um famoso produtor chamado João Batista. Esse tal de Batista era um verdadeiro garimpeiro! Ele inclusive foi o idealizador do primeiro “Rock in Rio Jordão”, show em que Jesus se apresentou publicamente pela primeira vez. O show foi incrível. As pessoas ficaram atônitas, sem entender de onde vinha aquela voz celestial. Infelizmente o pobre Batista não pode agenciar ao Mestre. Como a maioria dos produtores musicais, acabou perdendo a cabeça e foi assassinado de maneira trágica.

Ao contrário do baixista (um tal de Judas), que em seu íntimo desejava fazer carreira solo num futuro próximo, Jesus queria que a banda perpetuasse sua musicalidade por toda a eternidade. E pra isso investiu pesado na formação de cada um dos integrantes. E dedicou-se com afinco durante longos 3 anos de turnê.

A turnê foi um sucesso absoluto. A fama de Jesus o precedia. Multidões aguardavam ao Mestre nas entradas das cidades. E ele era muito amigável e simpático. Não recusava um autógrafo para nenhum de seus fãs. Mas fã é um bicho complicado. Hoje tá atrás de Jesus… amanhã já tá atrás do Calypso. Mas mesmo sabendo que a multidão não era fiel a suas músicas, Jesus continuava a cantar. E desafiava a cada pessoa que encontrava a também montar uma banda. Infelizmente, muitos são chamados, mas poucos escolhem para si este caminho.

Em vista da quantidade de interessados em sua musicalidade, Jesus organizou uma espécie de escola itinerante de música. Chegou a ter setenta alunos, que eram enviados de dois a dois para pequenos shows nas comunidades próximas. Os setenta voltaram de sua primeira apresentação com “sangue nos zóio”. Sentiram pela primeira vez o poder do Rock. Mas Jesus os advertiu que não se empolgassem pela multidão ou pela fama, mas sim por terem o privilégio de cantar músicas tão divinas.

Jesus era um cara estranho. Mesmo podendo hospedar-se nos melhores hotéis, preferia dormir na casa de amigos. E nem eram amigos de longa data. A maioria eram pessoas conhecidas nas ruas, em meio à turnê. Coisa de rockstar mesmo.

E eu poderia contar dezenas de histórias inéditas sobre Jesus e suas incríveis façanhas. Mas o realmente deve ser observado é sua atitude em, sendo o Deus do rock, se fazer acessível como um mero fã, para que todos nós possamos conhecer sua música.



* Ariovaldo Jr.

* PIERCINGS, EVANGELHO E CULTURA





Piercings estão cada vez mais comuns em nossos dias. Algo que há menos uma década era olhado com reprovação e preconceito, é hoje visto em homens, mulheres, jovens e até crianças. Se a sociedade parece estar aceitando esses adereços cada vez com mais naturalidade, os cristãos parecem confusos a respeito. Afinal de contas, a questão da aparência ainda é assunto de grande discussão e controvérsia em muitos círculos evangélicos. A primeira coisa que precisamos ter em mente quando o assunto é aparência pessoal, é que se trata de algo que muda com o tempo e com o lugar.
Usos e costumes estão diretamente ligados à cultura. Basicamente uma cultura é formada por três elementos: cosmovisão (a maneira como um povo vê o mundo), sistema de valores (o que é importante para aquele povo) e normas de conduta (o modo como um povo se comporta, e isso dizem respeito tanto à vestimenta, como ao modo de se relacionar com os outros, etc.). Culturas são diferentes de acordo com sua cosmovisão, valores e normas de conduta. Arrotar em público após uma refeição é totalmente aceitável (e até louvável) em certas culturas, e repugnante em outras. Uma mulher com os seios à mostra é normal em muitos países da África (onde a mesma mulher não pode exibir as pernas acima do tornozelo) enquanto que o mesmo é obsceno em outras partes do mundo. Beijar na boca em público é normal aqui no Brasil, mas pode levar alguém à cadeia em certos países islâmicos. Nestes mesmos países islâmicos, um homem não pode andar de mãos dadas com sua esposa, mas pode andar de mãos dadas com outro homem. No Ocidente tal prática evoca idéias de homossexualismo. E por aí vai. Todas essas coisas são formas de expressão cultural. Podem ser um insulto ou algo escandaloso para os de fora (que não fazem parte da cultura), mas não são necessariamente erradas para quem é daquela cultura. O fato é que nenhuma cultura é totalmente igual à outra e nenhuma cultura está acima da outra.
João viu no céu povos de todas as tribos, raças, línguas e nações (grupos étnicos). Todas as culturas possuem elementos que precisam ser valorizados e outros que precisam ser transformados pelo Evangelho. Sendo a aparência pessoal é uma questão de expressão cultural, esta aparência também muda de acordo com a cultura. Pinturas na face e no corpo estão presentes em diversas culturas. Na Polinésia, os nativos usam a tatuagem para escrever sua história familiar no corpo. A tatuagem e o piercing no umbigo eram comuns no Antigo Egito. Alguns povos usam piercing, brincos e outras formas de alteração do corpo (body modification ou simplesmente body modi).
O problema é que o mundo está ficando pequeno. Estamos nos tornando cada vez mais uma aldeia global. Esta globalização faz com que certos costumes que antes só eram vistos em algumas culturas isoladas e lugares remotos da terra, comecem a se tornar moda em todo o mundo. A tatuagem de henna é um exemplo recente desta realidade.E quem são os responsáveis pelo lançamento da moda em nosso mundo? Os meios de comunicação em massa, que muitas vezes mostram artistas, músicos e cantores usando determinada roupa, adereço, estilos diferentes muitas vezes copiados por nós, ou porque não dizer, copiados de nós.
Isto mesmo!!! Citando dois exemplo: Os Rapper’s americanos não inventaram um estilo de roupa e ornamentos, eles já existiam, porém foram popularizados pela mídia. A popularização de alguns costumes orientais no Ocidente teve forte influência dos Beatles, quando estavam em sua fase “Flower and Power”. Muitas das batas, camisões e pantalonas que vemos hoje em nossas ruas, praças, e até na igreja, foram uma influência direta da que é chamada a “maior banda de todos os tempos”, porém, são “politicamente aceitas” por muitas de nossas lideranças. A popularização do piercing foi em 1993 com o vídeo clipe “Cryin”, do Aerosmith, onde Alicia Silverstone apareceu com um piercing no umbigo. Uma banda de rock, uma balada romântica, uma jovem atriz linda. Elementos essenciais para fazer a moda pop ou cultura pop, que nada mais é do que uma mistura de culturas e costumes do mundo pós-moderno. Leornard Sweet, professor metodista e um dos mais interessantes pensadores cristãos de nossa época, comenta sobre tatuagens e piercings em seu e-book recente “The Dawn Mistaken For Dusk”. Ele diz que, a razão pela qual “body modi” é o assunto nº.1 nas listas de discussões e bate-papos de jovens cristãos com menos de 30 anos nos EUA, é pelo fato disto fazer parte da cultura jovem pós-moderna atual (e quase global), uma cultura onde a imagem é altamente valorizada.
A ironia disso tudo é que cirurgias plásticas e implante de silicone são coisas cada vez mais aceitas pelos cristãos modernos. Tem personalidades famosas do mundo evangélico brasileiro com o corpo siliconado.
Todavia, como diz Sweet, “Cirurgia plástica é uma forma severa de alteração do corpo. Isto é aceito, mas brincos e tatuagens, não são?”. Na Bíblia lemos à história de Isaque que deu a Rebeca uma argola de seis gramas de ouro para ser colocada no nariz (piercing) e, após fazer isto, ajoelhou-se para adorar a Deus. Penso que se o primeiro ato fosse pecado ou considerado pagão, então Isaque não teria adorado a Deus em seguida.No livro de Êxodo, percebemos que as mulheres dos hebreus usavam brincos e argolas, os quais foram oferecidos como oferta dedicada ao Senhor para a construção do Tabernáculo. Novamente, não penso que Deus aceitaria de seu povo ofertas que representassem costumes pagãos.
O texto mais intrigante para mim se encontra em Ez 16.11-12: “Também te adornei com enfeites, e te pus braceletes nas mãos e colar à roda do teu pescoço. Coloquei-te um pendente no nariz, arrecadas nas orelhas, e linda coroa na cabeça” (ARA), onde o próprio Deus diz que adornou Jerusalém com jóias, pulseiras, colares, argolas para o nariz e brincos para as orelhas. Ao que parece, tais adornos não eram uma ofensa ao Senhor.
Uma vez que a Bíblia parece não condenar o uso de piercing, por que deveríamos nós? Nosso desafio não é condenar, mas orientar as pessoas (principalmente os jovens) para os riscos que existem em fazer estas coisas sem uma orientação profissional e cuidados de higiene e saúde. A pessoa está consciente dos riscos de inflamação, doenças contagiosas e “efeitos colaterais” diante da sociedade? Está consciente de que algumas alterações são irreversíveis e, mesmo diante da possibilidade de reversão, podem deixar marcas para o resto da vida? Mais ainda, precisamos falar sobre questões de identidade, valor pessoal e auto-imagem. Pois são estas as questões mais importantes para quem está considerando qualquer forma de alteração do corpo, seja uma plástica no nariz, implantar silicone, colocar um piercing ou fazer uma tatuagem.





* Sandro Baggio

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Deus, sexo e prazer.






" E criou Deus o homem à sua imagem: à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.
E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra..."


E assim, o nosso bom Deus nos deu o desejo sexual, e assim, criamos o sexo, seja o mais instintivo, feito de forma animal (leve ao pé da letra), "olhando nos olhos " ou aquele dos filmes pornôs.
Deus criou algo maravilhoso, parafraseando o prazer de ter nos criado. Deus sentiu prazer na criação, por isso disse: "Haja luz" !
Ou como dizem os cientistas, o grande "Big-Bang", o grande orgasmo de Deus! Uma explosão de vida, harmonia, misticismo e existência.
E Deus , como fala o texto acima, na sua vontade maravilhosa, nos fez saudáveis sexualmente, mas de uma forma acidental, o sexo desagradou a Deus!
E nessa loucura sexual, quem ganhou alguma coisa, foi louco desejo humano da violência e da maldade, que ganharam um grande aliado, o tal desejo de Gênesis 1!
Não que não tenhamos que fazer sexo,pelo contrário, mas Deus quer se manifestar nessa relação também, e de uma forma ou de outra, ser glorificado nessa ação extasiante!
É difícil alguém imaginar, pessoas gritando "aleluias" na hora do "bem-bom", até mesmo os mais pentecostais, mas Deus quer isso.
E enquanto o homem e a mulher, não descobrirem a real satisfação e harmonia entre Deus/sexo/prazer, acordaremos sempre com aquela ressaca...insatisfeitos!

Soli Deo Gloria


Teu irmã,
Samuka.

O Presente de Deus.







Quem não gosta de receber presentes ? Eu adoro! E pode ser um par de meias brancas , como pode ser aquele "power ranger" que estava faltando na coleção. Pode ser um chocolate, um perfume, uma camiseta...não interessa, presente é presente!
Eles nos trazem as mais diversas sensações. E também, nos fazem lembrar um pouco daquelas pessoas que nos presentearam com aquilo.
Talvez possamos nos lembrar daqueles presentes, que ganhamos no Natal, no nosso aniversário, no dia das crianças, no dia dos namorados. Ou quem sabe, aqueles presentes que nós demos para alguém especial. Aquele presente que demos à nossa namoradinha ou namoradinho, para o nosso pai ou mãe, nos seus respectivos dias, para nosso avô, avó, tio ou tia, não interessa que seja. Se demos o presente, podemos nos lembrar do que sentimos e do que representa, de demos o presente, não esqueceremos a cara de surpresa, satisfação e alegria daquela pessoa querida.
E nossa cultura é muito ligada nessa parada de presentes, de símbolos.
No meu ponto de vista, não é diferente quando falamos de Deus. Deus também dá presentes!
Jesus, no evangelho de São Mateus, exemplifica :

"Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.
Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á.
E qual de entre vós é o homem que, pedindo-lhe pão o seu filho, lhe dará uma pedra?
E, pedindo-lhe peixe, lhe dará uma serpente?
Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem? (Mateus 7:7-11)


Perceba o que Jesus diz. Deus dá coisas boas!

Tudo bem quando recebemos dinheiro, quando somos correspondidos sentimentalmente, quando ganhamos um carro, uma "benção" tão pedida e buscada! Mas quando o presente que recebemos de Deus é um Câncer? Um resultado positivo no exame de HIV ? Quando descobrimos e nos damos de cara com a morte ? O pensamos ?

Sempre percebo que tudo o que Deus nos dá , é intenso, e percebo na soberania de Deus sobre todas as coisas.
Tudo que vem de Deus, serve para que possamos transformar a nossa forma de perceber as coisas ao nosso redor.
Todos aqueles que tiveram uma experiência com Deus, seja ela direta ou indiretamente, tiveram as suas vidas totalmente remexidas.
Deus faz isso, nós só não sabemos o porque.
Independente do nosso contexto de vida e de experiências, Deus sempre tenta se relacionar conosco, e assim , Ele demonstra o quanto está presente em todas as Eras de nossa existência ( generalizo aqui em questão de humanidade).
Mas qual a diferença então dos presentes de Deus ? Existe presente "bom" e "ruim" ?

No meu entendimento, a questão não é ser ruim ou bom, mas sim, o que fazemos com esses presentes.
Por mais que as situações que nos encontramos sejam inesperadas, todas elas ocorrem com permissão de Deus.
As vezes recebemos um presente esperado, mas muitas, vezes, aquele par de meia que queríamos, lindão, ao ser retirado do pacote, não entra em nosso pé, e para piorar as coisas, a loja não aceita "trocas"!
Da mesma forma, os presentes de Deus são escolhidos de forma preciosa para nós. E aliás, são inegociáveis, não passíveis de troca e impossíveis de ser devolvidos.
E da mesma forma que um pai não daria seu "Vectra" para seu filho de 5 anos dirigir, Deus não dará 1 milhão de reais para um filho "imaturo". Mas talvez dará um "câncer" de presente para um filho amado!
Sabe porque? Porque talvez 1 milhão de reais, possa tirar seu filho se sua presença, enquanto um câncer, poderá aumentar a sua fé e devoção!


Soli Deo Gloria.


Samuka,
Teu irmão.




(O trecho bíblico foi extraído da versão "King James" - Ao som de "P.O.D. - When Angels & Serpents Dance" )

terça-feira, 12 de julho de 2011

O Cristianismo é anti-intelectual?






(por * Andrew Byers, na Relevant Magazine)



José e Maria perderam Jesus quando ele era um garoto. Levaram três dias para encontrá-lo, mas lá estava ele "no templo, sentado entre os mestres, ouvindo-os e interrogando-os" (Lucas 2:46). Jesus estava no templo, o centro da adoração. Era também o centro do aprendizado. "E todos os que o ouviam estavam maravilhados com sua inteligência e respostas" (Lucas 2:47).

A Bíblia nos dá apenas um vislumbre da infância de Jesus, e aquela cena o retrata como um estudante ávido e um aluno aplicado, que participa ativamente na animada discussão teológica.

Então por que há tanta suspeita sobre os cristãos estudiosos de hoje que, como Jesus aos 12 anos, têm uma inclinação para ir a centros de aprendizagem e se envolverem numa discussão ativa? Por que existe atualmente uma espécie de anti-intelectualismo na Igreja?

Com certeza Jesus não era um intelectual elitista. Maravilhando-se com seus ensinamentos brilhantes, algumas pessoas perguntaram certa vez: "Como sabe este letras, sem ter estudado?” (João 7:15). Ele não tinha treinamento avançado ou formal (ao contrário de Saulo de Tarso). Quando Jesus desenrolou o pergaminho de Isaías naquele dia, foi com as mãos ásperas e calejadas de um trabalhador. Sua erudição era como a de um trabalhador braçal, um tipo de educação alheia à acadêmica, como o personagem de Matt Damon em Gênio Indomável (nada de bom pode vir de onde ele veio). E nós amamos as cenas em que Jesus confunde os estudiosos religiosos, assim como apreciamos quando o personagem Will Hunting entra em uma briga num bar da universidade.

Mas a falta de conhecimento acadêmico de Jesus não o torna anti-intelectual. Ele não tolerava um estudo malfeito: "não tendes lido...” (Mateus 12:3, 5; 19:04, 22:31;. et al.). Ele não aguentou a lentidão de entendimento: “Ainda não considerastes, nem compreendestes?” (Marcos 8:17).

Quando perguntado sobre o maior mandamento, Jesus respondeu citando uma passagem de Deuteronômio conhecida com Shema e que promovia um esforço teológico constante: “O primeiro de todos os mandamentos é: Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças” (Marcos 12:29,30).

O maior mandamento, o pedido mais obrigatório em nossas vidas é amar a Deus com tudo, o que inclui nossa mente. A maioria de nós sabe qual é o maior dos mandamentos. Contudo, podemos estar menos familiarizados com seu contexto no Antigo Testamento. Amar a Deus com tudo em Deuteronômio 6:4-9 é a expectativa de que iremos nos dedicar ao estudo rigoroso e discussão das palavras de Deus. Amar a Deus com tudo...

“...E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos (treinamento teológico intensivo), e delas falarás sentado em tua casa e andando pelo caminho, ao deitar-te e ao levantar-te (discurso teológico contínuo)”.

Devotos judeus dos dias de Jesus recitavam o Shema duas vezes por dia. Era incutido em suas consciências que a vida da mente e o estudo das Escrituras eram centrais para a adoração. Então, novamente, por que tanto anti-intelectualismo atualmente na igreja quando as Escrituras nos convocam a continuar em uma herança intelectual tão rica?
Parte do problema é que, em nome de manter o primeiro mandamento, muitas vezes quebramos o segundo.

Jesus atrelou ao grande mandamento de amar a Deus com tudo o mandamento inseparável de amar nossos semelhantes como a nós mesmos (Marcos 12:31; cf Levítico 19:18). O anti-intelectualismo está enraizado na consciência nacional por uma série de fatores históricos, mas é alimentado na Igreja quando o amor de Deus é separado do amor ao próximo em nossos esforços intelectuais. Há uma grande quantidade de batalhas desafeiçoadas e doutrinárias acontecendo lá fora, em nome de valorizar Deus e Sua verdade.

Outra parte do problema está com aqueles que olham de soslaio para a aprendizagem acadêmica. Alguns de nós assumimos que Jesus vai se perder se levarmos a sério o estudo. No entanto, quando Maria e José perderam Jesus, o acharam apaixonadamente engajado no debate teológico com professores.

É fácil esmagar o acadêmico quando ainda estamos traumatizados com aqueles ataques de fé pedagógicos de nosso professor cínico de Estudos Religiosos. Não vamos perder a realidade, no entanto, de que muitos daqueles professores entraram neste campo porque estavam cheios de entusiasmo por ideias escritas por teólogos mortos por um longo tempo. Eles foram tocados pela arte literária dos escritores do Evangelho e se apaixonaram pela honestidade crua dos salmistas... E foi a sala de aula, e não a sua educação da igreja, que os apresentou a estas maravilhas. Então, depois de anos de árduo trabalho intelectual, inúmeras noites sem dormir e a acumulação de dívida educacional enorme, esses alunos esfarrapados mas ansiosos são freqüentemente saudados por uma igreja anti-intelectual, que diz: "Eu não tenho necessidade de vós” (1 Coríntios 12 : 21).

Não é à toa que existe tanto cinismo na escola. E 18 anos sentado em classes de Escolas Dominicais parecem fazer pouca diferença para a preparação de 10 minutos de discussão teológica em uma dessas classes de professores. Ao negligenciar em saturar nossas crianças de 12 anos com a Palavra de Deus, em não alimentar a discussão teológica permanente sobre essas palavras, a Igreja pode ter tanta culpa quanto a escola pelo ciclo vicioso de tensão entre eles.

Quebrar esse ciclo entre os polos de anti-intelectualismo e elitismo intelectual exige uma geração que negue a tentação de exagerar em ambos os lados (como nos comentários, para começar!). Precisamos de uma geração que persistentemente se comprometa a manter os dois maiores mandamentos ligados. Ame ao próximo oprimido e marginalizado... mas sobre o fundamento do pensamento teológico robusto. Ame a Deus com toda a mente... mas vire as páginas dos livros com as mãos calejadas de servir o nosso próximo.








* Andrew Byers lidera a Universidade Christian Fellowship e é o autor de "Fé sem ilusões: Seguir a Jesus como um Santo Cínico". (Likewise Books / IVP). Ele escreve no blog Hopeful Realism.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Quem crer e for batizado, será salvo!




E o evangelho deve ser pregado em todos os lugares.
Na verdade, ele deve ser gritado!
E deve ser gritado em todas as nações.
Pelos microfones dos supermercados.
Nas rádios piratas.
Nos Pub´s .
Nas Universidades.
Nas casas de stripper´s .
Nas casas de todas as pessoas.
Nas sorveterias.
Nas praças.

Nos becos..principalmente nos becos sem saída!

E também deve , de vez em quando, nas igrejas!

Samuka.


(Hoje não tem música!)

Dante Alighieri estava errado!





Como posso acreditar que pessoas como Madre Teresa, Gandhi,Tolstoi, Dostoievski, meu vizinho e o meu padeiro, irão queimar no fogo do inferno para sempre e eternamente por que não creram em Jesus conforme o gabarito?
Mesmo se eu estiver errado em minha maneira de pensar sobre o inferno, estou certo a respeito de uma coisa:
Eu estava errado na minha maneira antiga de se pensar sobre o inferno também.
Gehenna(Mateus 5), Tartarus (2 Pedro2.4), Sheol(Genêsis 37.35,etc), inferno, hell.
No final, julgamento é real, prestação de contas é real. O perigo de nos preocuparmos com a vida dos outros e esquecermos da nossa é real. O Deus todo-poderoso, amoroso e gracioso estará presente diante de todos nós nesse final.
Qualquer caminho que pegarmos nos levará a esse momento que nos mostrará quem realmente somos. Se agimos certo ou errado, se fizemos justiça ou não, se pregamos graça ou julgamento, se fomos imperfeitos ou perfeitos, se aceitamos a Cristo ou não, se, se, se.
Diante de Deus todas essas possibilidade serão eliminadas, e não nos sobrará muitas oportunidades para nos condenar ou salvar.
Enfim, no final o inferno pode ser um local, mas não será o veredito final, e se for, algo terá que acontecer depois disso. Não nos importa boas atitudes ou crenças corretas, o que nos importa é a suficiente fé para assumirmos que não somos dignos de tal salvação, e que Deus é Deus o suficiente para concertar o que havia se perdido.
Como posso saber se sou mais digno da salvação do que o meu próximo?
Quando entendo que o meu próximo é mais digno da salvação do que eu, pois ele não sabe o que sei, e forçá-lo a saber, muitas vezes o levará para longe da verdade, pois minha verdade também é corrompida.
Aquilo que o homem não pode concertar, Deus concerta.
P.S: Vida após a morte, ou vida antes dela? Aqueles que optarem pela segunda opção enxergão o concerto de Deus. E essa é a melhor resposta e opção que temos no momento, em se tratando de inferno.


Dante Alighieri was wrong!

How can I believe that people like Mother Teresa, Gandhi, Tolstoy, Dostoyevsky, my neighbor and my baker, will burn in hell forever and ever why did not believe in Jesus as the template?
Even if I am wrong in my thinking about hell, I’m right about one thing:
I was wrong in my old way of thinking about hell as well.
Gehenna (Matthew 5), Tartarus (2 Pedro2.4) Sheol (Genesis 37.35, etc.), hell, hell.
In the final trial is real, is real accountability. The danger of worrying about the lives of others and forget our real. The God almighty, loving and gracious will be present on all of us at that end.
Whatever path we take will lead us to this moment we will show who we really are. If we act right or wrong, justice is done or not, if we preach grace or trial, if we were perfect or imperfect, if we accept Christ or not, if, if, if.
Before God all these possibilities are eliminated, and not be left in the many opportunities to save or condemn us.
Finally, at the end of hell can be a place, but not the final verdict, and if something has to happen after that. We do not care right good attitudes or beliefs, what matters is sufficient faith to assume that we are not worthy of such a salvation, and that God is God enough to fix what was lost.
How do I know if I am more worthy of salvation than my neighbor?
When I understand that my neighbor is more worthy of salvation than I because he does not know what I know and force you to learn, often takes away from the truth, my truth as it is also corrupted.
What man can not fix, God fixes it.
P.S: Life after death, or life before her? Those who choose the second option mattress God’s covenant. And this is the best response and option we have at the moment, when it comes to hell.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Jesus








O que dizer sobre Jesus ? O que dizer dessa personalidade que nos remete a circunstâncias tão adversas e mesmo tempo, tão sinônimas ?
Podemos dizer qualquer coisa sobre esse cara , e até podemos tratá-lo assim mesmo, “cara”!
E não querendo dizer nada mais, podemos dizer também que Ele (ou “ele”), foi qualquer um , assim como somos qualquer um (a).
E talvez poderemos dizer que Ele foi um profeta, e assim como os muçulmanos, dizer que na hora da crucificação, substituíram ele por Judas....então foi Judas que morreu pela humanidade.






Podemos recriá-lo a uma imagem bizantina, aquela típica do Império Bizantino, um tanto quanto romântico e desfigurado.
Mas acho que ele fica mais importante pintado por Rembrandt...e ficaria mágico sim se fosse pintado por Dalí.
Podemos dizer como certos autores que quiseram ganhar dinheiro, que Ele teve noites de delícias e prazeres com Maria Madalena ( E a Bíblia fala que ela era pecadora, e não prostituta!) e que tiveram filhos...e até casa na praia.






Podemos até fazer perfis “fake” para Ele nas páginas de redes sociais, mas ele será, por si só, significante , talvez felizmente, ou infelizmente.
Os puritanos, certo do que estou falando, irão recriá-lo com um “círculo” branco na cabeça, quase que em uma bolha de ar, intocável, recitando mantras e curando asas de pássaros feridas por causa de quedas do ninho. Assim como sempre tenta com a humanidade.








Mas o que na verdade eu compreendo nas Escrituras, é que Jesus não é um Robô, nem “Achmed o terrorista” , nem nenhuma mitologia nórdica para explicar as funções e disfunções psíquicas da humanidade, e nem muito menos uma teoria.
Não é preciso comprovações científicas para chegar a essa dedução. Perceba que alguns caras andaram com ele ! Como sei ? Eles apostaram as suas vidas ! E o que ganharam ? Cabeças cortadas, peles esfaceladas, membros mutilados, escalpelados, traídos, devorados e destruídos.








Aí eu me pergunto : “ Até quanto vale uma mentira?”
Alguma coisa eles viram em Jesus!
E me pego nesses instante, nas minhas meditações em cima dele.










Não falo das multiplicações dos pães e dos peixes, nem das curas, nem dos passeios por cima dos mares do Galiléia a pé, nem das transfigurações de Moisés e Elias, nem quando Ele ressuscitou Lázaro, não, nenhuma dessas maravilhas, por que isso, já sabemos que qualquer fé pode fazer, mas falo dos momentos de choro, de alegria, de transformar água em vinho para a festa continuar, das conversas com as mulheres (desvalorizadas na época) , quando pegava as crianças no colo, quando andava com os mendigos, com os leprosos, com os cegos, com os ricos psicológicamente esquizofrênicos e dementes por poder, com os pobres que viviam à margem da sociedade, com os coxos e aleijados, com os governadores, com os traidores que le beijaram a face e comiam pão com ele a mesma mesa , e na cruz, posto ao lado de dois criminosos, não perdeu o carinho e o amor, mas na verdade, se mostrou o mesmo de sempre...esteve com os derrotados e fracassados a todo momento.




E infelizmente para alguns, Cristo é uma forma de ganhar dinheiro.
Sabe como? Dizem que a Graça é de graça, que Cristo morreu por você, levou seus pecados ...mas você tem uma dívida eterna com ele de 10% a cada mês! Cômico, Irônico ou repulsivo ?






E tem várias outras besteiras acerca dessa mesma personalidade. Alguns dizem que não existiu, alguns dizem que Ele foi até um "Power Ranger", alguns dizem que era um camponês, para alguns um revolucionário marxista, para alguns uma força da natureza, para alguns não foi ninguém...e para alguns, já foi alguém !
E para você, quem foi Jesus ?








Eu na acredito em Cristo por Ele ser Cristo, mas acredito em Cristo, por Ele ter sido igual a mim.


Seu irmão,

Samuka


( Ao som de: Amy WineHouse - You Know I´m No Good )